Hidrelétricas avançam sobre terra e vidas Munduruku

Originalmente no site TheIntercept

16 de Janeiro de 2017, 11h05

Autoria: jornalista Sue Branford e cientista social Mauricio Torres

Da série Tapajós sob ataque

“É UM TEMPO de morte. Os Munduruku vão começar a morrer. Vão começar a se acidentar e até acidente simples vai matar o Munduruku. Vai cair raio e matar o índio. O índio vai tá trabalhando na roça e um pau vai cair em cima do índio e não é à toa que o pau vai cair em cima dele. Ponta de pau afiado vai furar o índio que estiver caçando. E é impacto porque o governo mexeu no lugar sagrado”.
Krixi Biwün (ou Valmira Krixi Munduruku, como consta em seu batismo cristão) é uma guerreira e importante matriarca da aldeia Teles Pires, localizada à margem direita do rio de mesmo nome na divisa entre Pará e Mato Grosso (ver mapa). A sabedoria sobre antigas histórias de seu povo fazem de Biwün uma grande liderança da aldeia. Seu conhecimento tradicional ensina desde como se deve banhar uma menina com ervas para que se torne uma brava guerreira até as histórias da cosmologia de seu povo.
O local sagrado a que se refere a matriarca Munduruku era um trecho encachoeirado do rio Teles Pires conhecido como Sete Quedas ou Paribixexe em Munduruku. Em 2013, o consórcio responsável pela construção da usina hidrelétrica de Teles Pires — composto pelas empresas Odebrecht, Voith, Alston, PCE e Intertechne — obteve autorização judicial para iniciar a obra e acabou com as corredeiras. Ao explodir as pedras e abrir o leito do rio, o empreendimento destruiu também o que, na cosmologia dos povos indígenas da região, seria o equivalente ao “céu” ou “paraíso” na cultura cristã.
“A gente tinha esse lugar sagrado e quando morria ia pra lá. Mas como o governo agora tá dinamitando tudo, mesmo indo pra ser espírito, a gente vai acabar. A gente vai morrer no espírito também”, acrescenta a matriarca.

Veja a íntegra em: https://theintercept.com/2017/01/16/hidreletricas-avancam-sobre-terras-e-vidas-munduruku/

Cartilha Conselho Municipal – o papel da sociedade nesta construção é lançado em MT

Texto original no site do ICV

capapdfnositeA mais recente publicação do Instituto Centro de Vida (ICV) é a cartilha Conselhos Municipais: o papel da sociedade nesta construção (Meio ambiente e desenvolvimento rural sustentável) que, em 30 páginas, num formato pequeno e de fácil de leitura, trata da importância da participação e do controle social à promoção dos direitos dos cidadãos e à efetivação de uma gestão pública democrática. A obra é fruto de nossa experiência de chão de assessoramento a conselhos municipais do norte e noroeste do estado de Mato Grosso.

Em cinco capítulos, você obtém informações sobre quais são as características dos conselhos municipais participativos, como se dá na prática a participação social e como são as estruturas dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDMRS) e dos Conselhos Municipais de Meio Ambiente (CMMA).

Os desafios para implementação também fazem parte do conteúdo, para gerar reflexão sobre como superar esses problemas ao longo do processo. A cartilha ainda oferece dicas de links úteis sobre este tema e bibliografia para que possa aprofundar a pesquisa. O objetivo é promover o estímulo ao exercício de cidadania, que estes espaços propiciam à nossa sociedade.

Boa leitura!