Nos rios de Mato Grosso: Política Energética e Energia Solar

Por que em um país como o Brasil, que tem sol durante todo o ano, a energia solar não tem espaço na matriz energética? Por que não aproveitamos essa fonte inesgotável e gratuita de energia? Em Mato Grosso, por exemplo, existe apenas uma usina de energia solar. Em nosso ultimo programa, discutiremos a importância da energia solar como fonte de energia realmente renovável e os motivos da ausência de investimento nesta fonte.

Os programas foram produzidos pela jornalista Juliana Arini e serão disponibilizados gratuitamente aqui em nosso blog. Nossa intenção é que os programas ajudem as pessoas da região a refletirem e discutirem sobre estes importantes temas.

Os programas podem ser replicados livremente. Se você e/ou sua comunidade tiver interesse em receber todos os programas, entre em contato conosco no redejuruenavivo@gmail.com.

Para fazer download do Programa Nos Rios de Mato Grosso 13Política Energética e Energia Solar

Anúncios

Nos rios de Mato Grosso: Biomassa como fonte de energia

Em nosso penúltimo programa, iremos falar sobre alternativas de geração de energia, com foco na biomassa. O Brasil já tem capacidade de geração por biomassa equivalente a três usina hidrelétricas de Belo Monte que, infelizmente, não é aproveitadas. O potencial de geração em Mato Grosso é grande, mas faltam estudos e investimentos na área.

Os programas foram produzidos pela jornalista Juliana Arini e serão disponibilizados gratuitamente aqui em nosso blog. Nossa intenção é que os programas ajudem as pessoas da região a refletirem e discutirem sobre estes importantes temas.

Os programas podem ser replicados livremente. Se você e/ou sua comunidade tiver interesse em receber todos os programas, entre em contato conosco no redejuruenavivo@gmail.com.

Para fazer download do Programa Nos Rios de Mato Grosso 11 – Biomassa como fonte de energia

O grande potencial das energias renováveis

Portugal operou exclusivamente com energias renováveis por 4 dias

Das 6:45h do sábado, 07 de maio, até às 17:45h da quarta-feira, 11 de maio, toda a energia consumida por Portugal veio de fontes renováveis. Segundo os dados recolhidos pela ONG Zero, essas 107 horas sem fontes poluentessão um registro importante para o consumo de eletricidade no mundo e uma lição para o Brasil, que ainda mantém a hidrelétrica como principal matriz, mesmo tendo um potencial eólico de 140.000 MW, segundo dados do Ministério de Minas e Energia. Isso representa 50% a mais do que toda a energia utilizada no país, em 2015, somando todos os outros meios de geração.

Portugal operou exclusivamente com energias renováveis por 4 dias. (Imagem da internet)

Portugal operou exclusivamente com energias renováveis por 4 dias. (Imagem da internet)

Confira abaixo a tradução da notícia publicada no site Energia Estratégica, de Portugal:

Por Energía Estratégica / info@energiaestrategica.com

A chuva e o vento que atingiram a Península Ibérica durante os dias 7 e 11 de maio de 2016 representaram um novo recorde. De acordo com a Agência Internacional de Energia, a queima de biomassa é a principal fonte de eletricidade em Portugal, seguida por usinas hidrelétricas e parques eólicos. No entanto, o uso de fontes renováveis, ventos e energias solares, estão em crescimento no país na casa de 31 e 20 por cento, respectivamente, desde 2014.

Durante aquelas 107 horas, as necessidades de consumo de Portugal ficaram 100% garantidas pelas fontes renováveis e ainda possibilitaram a exportação de uma quantidade significativa de eletricidade exclusivamente renovável ou completada, em alguns casos, por fontes não renováveis. A gestão das fontes renováveis de produção de eletricidade e a capacidade de distribuição na rede elétrica superaram um teste difícil no contexto de pequenas interconexões, especialmente entre Espanha e França.

Portugal fechou suas centrais a carvão em 1994. Durante o primeiro trimestre de 2013, 70% de sua energia já eram renováveis. Em 2014, a média foi de 63% e, em 2015, o número caiu para 50,4% devido à seca. A Dinamarca é o país que gera uma maior proporção de sua eletricidade do vento: em 2015, a produção foi de 140% das suas necessidades energéticas com moinhos instalados em sua costa.

Texto complementado com informações do site Brasil Solar.

Novas regras para geração distribuída entram em vigor

Número de conexões quadruplicaram entre 2014 e 2016.

Fonte: Aneel

microeminigeração_noticia

Entraram em vigor, no dia 1º de março, as novas regras da Resolução Normativa nº 482/2012 que estabelece o Sistema de Compensação de Energia Elétrica, permitindo que o consumidor instale pequenos geradores (tais como painéis solares fotovoltaicos e microturbinas eólicas, entre outras fontes renováveis) em sua unidade consumidora e troque energia com a distribuidora local com objetivo de reduzir o valor da sua fatura de energia elétrica.

As adesões ao modelo de geração distribuída têm crescido expressivamente desde as primeiras instalações, em 2012. Entre 2014 e 2016 os registros quadruplicaram passando de 424 conexões para 1930 conexões. Com a revisão da norma, que simplifica procedimentos de registro, a estimativa é que até 2024 mais 1,2 milhão de consumidores passem a produzir sua própria energia, o equivalente a 4,5 gigawatts (GW) de potência instalada.

grafico_conexoes_2016

grafico_conexoes_uf

A resolução autoriza o uso de qualquer fonte renovável, além da cogeração qualificada, denominando-se microgeração distribuída a central geradora com potência instalada de até 75 quilowatts (KW) e minigeração distribuída aquela com potência acima de 75 kW e menor ou igual a 5 MW (sendo 3 MW para a fonte hídrica), conectadas na rede de distribuição por meio de instalações de unidades consumidoras.

Quando a quantidade de energia gerada em determinado mês for superior à energia consumida naquele período, o consumidor fica com créditos que podem ser utilizados para diminuir a fatura dos meses seguintes. O prazo de validade dos créditos passou de 36 para 60 meses, e podem ser usados também para abater o consumo de unidades consumidoras do mesmo titular situadas em outro local, desde que na área de atendimento de uma mesma distribuidora. Esse tipo de utilização dos créditos é chamado de “autoconsumo remoto”.

Outra inovação da norma diz respeito à possibilidade de instalação de geração distribuída em condomínios (empreendimentos de múltiplas unidades consumidoras). Nessa configuração, a energia gerada pode ser repartida entre os condôminos em porcentagens definidas pelos próprios consumidores.

A Aneel criou ainda a figura da “geração compartilhada”, possibilitando que diversos interessados se unam em um consórcio ou em uma cooperativa, instalem uma microgeração ou minigeração distribuída e utilizem a energia gerada para redução das faturas dos consorciados ou cooperados.

Com relação aos procedimentos necessários para se conectar a micro ou minigeração distribuída à rede da distribuidora, a Aneel estabeleceu regras que simplificam o processo: foram instituídos formulários padrão para realização da solicitação de acesso pelo consumidor.  O prazo total para a distribuidora conectar usinas de até 75 kW, que era de 82 dias, foi reduzido para 34 dias.

Adicionalmente, a partir de janeiro de 2017, os consumidores poderão fazer a solicitação e acompanhar o andamento de seu pedido junto à distribuidora pela internet.

A geração de energia perto do local de consumo traz uma série de vantagens, tais como redução dos gastos dos consumidores, economia dos investimentos em transmissão, redução das perdas nas redes e melhoria da qualidade do serviço de energia elétrica. A expansão da geração distribuída beneficia o consumidor-gerador, a economia do país e os demais consumidores, pois esses benefícios se estendem a todo o sistema elétrico.